Folha do Juruá Cruzeiro do Sul, Acre,
Folha do Juruá Cruzeiro do Sul, Acre,
Direto de BrasíliaGeral

Rombo fiscal e pedido de socorro

Irresponsabilidade

Embora a Lei de Responsabilidade Fiscal tenha pretendido dar um freio na gastança dos governos estaduais, sem excluir o federal, o grau de punição aos gestores públicos que quebram as finanças estaduais e municipais ainda é muito brando. O Tesouro Nacional está combalido.

O rombo fiscal deve superar os R$ 139 bilhões previstos e os governadores recém-empossados correm constantemente a Brasília em busca de ajuda para equacionar a falência financeira com a qual se depararam após a posse.

A lógica do voto      

Renan Calheiros deve se encontrar com a bancada do MDB antes do início dos trabalhos da próxima legislatura com certeza de que, se for candidato, terá o apoio dos senadores do PT. Para emplacar, Simone Tebet tem que levar aos emedebistas a certeza de que agrega votos fora do partido.

* Se não, terá dificuldades, apesar da ficha limpa.

Apoio   

O senador Jarbas Vasconcelos (MDB-PE) foi o primeiro a interromper as férias para ingressar na campanha de Simone Tebet pela Presidência do Senado, dentro e fora do MDB. Ele assegura que vai se empenhar para que ela seja eleita.

* Ainda que não seja indicada como nome do MDB, Simone pretende  se lançar vôo solo no plenário. Ela trabalha para fugir da sina de Luiz Henrique, o candidato avulso que, em 2015, obteve 31 votos contra 49 de Renan Calheiros.

Sem paternalismo

O presidente Jair Bolsonaro ao dizer que, se o senador eleito  Flávio Bolsonaro, seu filho, tenha cometido algum erro terá que pagar o preço, serviu para aquietar aqueles que esperavam que ele dissesse que o filho está sofrendo perseguição.

* Seus eleitores, com certeza, ficaram satisfeitos com o posicionamento.

Do Acre para Pernambuco   

No próximo dia 1º de fevereiro, o gabinete que sempre foi ocupado pelo Acre irá para Pernambuco. O novo ocupante do gabinete que foi utilizado ao longo dos anos pelos ex-senadores Nabor Junior, Tião Viana, Aníbal Diniz e, por último, pelo Senador Jorge Viana, será o senador Humberto Costa, líder do PT no Senado.

* O gabinete é bem localizado, fica perto do plenário e é objeto de desejo de qualquer político que quer trabalhar em um espaço amplo e confortável.

Sob pressão  

Com o aumento da cobrança de setores militares, o governo Jair Bolsonaro começou a deixar o filho mais velho do presidente, o senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), sozinho para explicar o cada vez mais nebuloso caso envolvendo seu ex-assessor Fabrício Queiroz.

* O que os apoiadores do governo não sabem dizer ainda é se a tática será eficaz e, principalmente, se não veio tarde demais.

Não convenceu

Oficiais generais da ativa, das três Forças, concordam que Flávio não foi convincente até aqui nas explicações sobre o cipoal que mistura operações financeiras envolvendo imóveis no Rio com a movimentação atípica de valores seus e de seu ex-assessor.

Frase

“Se por acaso ele errou e isso for provado, lamento como pai, mas ele terá de pagar o preço por esses atos que não podemos aceitar”, afirmou Jair Bolsonaro nesta quarta (23) à Bloomberg, em Davos (Suíça), onde participou do Fórum Econômico Mundial.

 

Por: Mariano Maciel

Tags : Destaque

Send this to a friend